Cadeias Globais de Valor

Cadeias Globais de Valor podem ser definidas como o conjunto de atividades necessárias a produção e entrega do produto ao consumidor final.

A qualificação do processo como cadeia de valor advém do fato de a produção se dar em estágios que agregam valores adicionados. Em cada estágio o produtor, a fim de realizar sua produção, adquire seus insumos e emprega fatores de produção (capital, terra e trabalho). As remunerações desses fatores irão compor o valor adicionado. Este processo se repete no próximo estágio de tal sorte que o valor adicionado anteriormente se transforma em custo para o próximo produtor.

O conjunto de etapas podem ser desempenhadas dentro de uma mesma firma ou por mais de uma firma. Se o conjunto de firmas encadeadas se situarem em mais de um país, então teremos uma cadeia de valor que é global. O interesse recente da literatura econômica pelo novo paradigma produtivo tem ocorrido por dois principais motivos: (i) os fluxos de comércio decorrentes da terceirização de estágios produtivos estão se intensificando; e (ii) porque tais fluxos se dão entre países pobres e ricos. Nesse contexto, temos um indicativo de que essa nova relação tem sido benéfica aos mais pobres, dado que se observa um aumento na participação na renda e nas exportações mundiais auferidas pelos emergentes nas últimas décadas.

As causas que permitiram o surgimento desses fluxos são essencialmente duas: (a) drástica redução nas últimas três décadas dos custos de comércio e (b) aumento dos investimentos em liberalização comercial no mesmo período. Nesse novo cenário do comércio mundial novas problemáticas são postas aos países que desejam aumentar sua participação no comércio. Destacamos duas: (1) as exportações mais competitivas dependem do fornecimento eficiente de insumos, assim como do acesso a produtores e consumidores; (2) a especialização dos países tem maior concentração em tarefas e funções comerciais do que em produtos específicos.

De forma geral, há diversos impactos potenciais na formulação de políticas comerciais, industriais e macroeconômicas. Por fim, cabe destacar também que o aumento da importância das Cadeias de Valor Global no comércio mundial cria desafios para as estatísticas usuais de comércio, uma vez que as cadeias acentuam problemas inerentes às formas usuais de mensurar fluxos comerciais e porque requerem a estimação de outras medidas para que a forma produtiva seja plenamente compreendida.